Home » Polícia » Acusado pela execução de tatuador terá audiência nesta terça-feira (19/03) no Fórum Criminal de São Carlos

Acusado pela execução de tatuador terá audiência nesta terça-feira (19/03) no Fórum Criminal de São Carlos

Nesta terça-feira (19/03), por volta das 15h40, o Tribunal do Júri do Fórum Criminal de São Carlos realizará a primeira audiência do empresário Fernando Ganci de 40 anos, acusado pela execução a tiros do tatuador Marcos Gentil Romero, 36 anos, conhecido como Marcos Tsunami, no dia 03 de dezembro de 2018, nas proximidades do Terminal Rodoviário no Jardim Macarengo, em São Carlos (SP).

Após executar Marcos Tsunami em uma discussão de trânsito, o acusado ocupou empreendeu fuga, chegando a deixar o Brasil, e no trajeto de retorno para São Carlos acabou sendo detido por militares da Polícia Militar Rodoviária enquanto dormia dentro do carro, no interior do pátio de um Posto de Combustíveis na Rodovia Raposo Tavares em Presidente Epitácio/SP, no dia 08 de dezembro de 2018.

Diante do fato, uma equipe da Delegacia de Investigações Gerais de São Carlos se deslocou no dia 10 de dezembro de 2018 para o presídio de Presidente Venceslau, onde tomaram custódia do empresário e trouxeram ele para o Centro de Triagem de São Carlos,

Na manhã do dia 11 de dezembro de 2018 foi levado à sede da delegacia onde prestou depoimentos ao delegado Gilberto de Aquino, dando detalhes de toda sua ação.

Réu confesso durante uma breve interrogativa, Fernando Ganci afirmou ao delegado da polícia civil, que no dia dos fatos já desembarcou de seu automóvel depois de uma discussão verbal entre as partes em posse do armamento que segundo o mesmo era herança de seu falecido pai, momento em que o empresário assustou quando o tatuador possivelmente virou seu corpo para soltar o cinto de segurança, e achando que o mesmo iria tomar posse de algo para sua defesa, desferiu um soco contra o rosto de Marcos Tsunami e em ato continuo sacou do revólver calibre 32 e efetuou disparos contra o mesmo, que alvejado, não resistiu aos ferimentos e morreu antes mesmo da chegada das equipes de socorro do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Depois da execução, o empresário afirmou para a autoridade policial que rapidamente embarcou novamente em seu automóvel, no qual também era ocupado pela esposa e sua genitora, e tomou destino a sua residência, onde deixou as familiares e posteriormente empreendeu fuga em sentido a cidade de Ribeirão Preto/SP, pela Rodovia Engenheiro Thales de Lorena Peixoto Junior (SP-318).

Ao ingressar pela SP-255, nas proximidades do Rio Mogi, Fernando Ganci disse ao delegado que parou o carro, desceu com a arma utilizada no crime, e ao tirar as munições do tambor jogou tudo na correnteza, tomando destino à Bolívia, onde aí sim manteve contato com a esposa depois de sua chegada.

Durante a breve conversa, a mulher afirmou ao mesmo que ele já estaria sendo procurado pela Justiça devido ao ato realizado, cujo mandado de prisão em seu desfavor já teria sido expedido pela 2ª Vara Criminal da Comarca de São Carlos.

Arrependido, o empresário também manteve contato com seus advogados de defesa, afirmando que retornaria para São Carlos/SP a fim de se entregar à polícia, onde de acordo com Gilberto de Aquino, que atuava nas investigações do crime, os profissionais já teriam entrado em contato com a autoridade policial para comunicar o retorno do réu para se entregar pelo ato realizado.

Depois de prestar seus depoimentos na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de São Carlos/SP, Fernando Ganci retornou para a carceragem sendo encaminhado ao Centro de Detenção Provisória (CDP) da cidade de Araraquara/SP, e no decorrer do tempo de sua prisão até próximo de sua audiência a ser realizada, pedidos de habeas corpus para que o mesmo respondesse pelo crime feito em liberdade, teriam sido solicitados pelos advogados de defesa junto à Justiça, que negou os fatos.

Familiares e amigos do tatuador Marcos Gentil Romero, Marcos Tsunami, 36 anos, prometem comparecer à frente do Fórum Criminal de São Carlos no horário definido para o julgamento do acusado, a fim de realizar uma manifestação pacífica para cobrar por Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*