Ibama impõe multa diária de R$ 100 mil à Vale por falha no salvamento de animais

O Ibama impôs uma multa diária de R$ 100 mil contra a mineradora Vale, até que a empresa execute “de forma integral e satisfatória” o plano de salvamento de animais atingidos pelo desastre de Brumadinho. As exigências do órgão ambiental incluem medidas como a instalação de hospital de campanha para reabilitação dos animais resgatados e centro para triagem e abrigo.

Este é o sexto auto de infração aplicado pelo Ibama à Vale, responsável pela catástrofe causada pelo rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Minas Gerais. As outras cinco multas já aplicadas somam R$ 250 milhões. “Em 26 de janeiro, o Ibama havia determinado por meio de notificação que a mineradora iniciasse em até 24 horas a execução do plano de salvamento de fauna e entregasse relatórios diários com informações sobre os animais resgatados”, declarou o Ibama. “Em vistorias, agentes ambientais constataram atraso na realização das obras. Os relatórios enviados pela empresa não atendem integralmente as exigências estabelecidas na notificação.”

No dia 29 de janeiro, um helicóptero da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que fazia voos rasantes em uma área devastada do Córrego do Feijão e fuzilava animais que estavam atolados. Foram mais de 20 disparos, até o que o helicóptero partiu. A execução dos animais foi confirmada ao Estado pelo chefe da Defesa Civil de Minas, coronel Evandro Geraldo Borges. “O que vamos fazer? Deixar o animal sofrendo? Estamos sim, com equipe em campo executando esse trabalho, mas essa decisão só é tomada nos casos em que não há outra opção”, declarou, na ocasião.

O objetivo da multa diária, que tem sido aplicada desde sexta-feira, 8, é exigir o cumprimento imediato das determinações com o objetivo de cessar a degradação ambiental. O valor da multa, segundo o Ibama, é o máximo previsto para esse tipo de infração, conforme a Lei de Crimes Ambientais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.