Maranhão tem 431 detentos aprovados no ENEM

Este ano, segundo dados do Pessoas Privadas de Liberdade (PPL), 431 internos foram aprovados no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Somente na capital maranhense, pela Unidade Prisional de Ressocialização São Luís 2 (UPSL2), 69 detentos foram aprovados – a unidade com mais admissões bem-sucedidas de todo o país. No interior, a UPR de Balsas-MA também se destacou com 23 aprovações.

Um total de 838 presos se inscreveram para realizar o Enem no Maranhão – destes, um considerável resultado de 51,4% destes foram aprovados. Tal resultado comprova o trabalho realizado no estado em prol da educação e ressocialização prisional, por meio da Seap e da Seduc, secretarias de Administração Penitenciária e de Educação.

O número de presos inscritos foi o maior registrado até aqui. A UPSL2 da Região Metropolitana de São Luís contabilizou 12o inscrições, por exemplo (58% aprovados). Já a UPR de Imperatriz bateu recorde entre as cidades do interior, com 41 inscrições.

Leia também: Vídeo mostra como a reabilitação pode mudar a aparência de um morador de rua

Felipe Camarão, secretário de Educação, afirmou que o “resultado é decorrente da aplicação correta das políticas públicas do Governo do Estado”.

As inscrições do ENEM PPL 2018 foram realizadas online pelos pedagogos responsáveis de cada UPR.

Redação

A edição deste ano do Enem PPL teve como tema da redação: “Formas de organização da sociedade para o enfrentamento de problemas econômicos no Brasil”.

De acordo com informações levantadas pelas equipes das secretarias de educação e do setor prisional, há pontuações compatíveis para o ingresso no curso de Engenharia, por exemplo, a partir do SISU.

“O ENEM PPL tem a mesma complexidade das provas aplicadas no tradicional. Os reeducandos têm os mesmos direitos de cotas raciais ou sociais, expressas por lei. A liberação dos deles para cursar depende de aprovação da Justiça; e o Exame permite ainda o interno disputar Sisu, ProUni, e Sisutec”, diz Thabada Louisa, supervisora de Educação da SEAP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *